Análise Comparativa de Desempenho

Nosso principal produto de consultoria é a Análise Comparativa de Desempenho - ACD, que consiste em obter uma série de informações de desempenho e de processo de várias empresas de um mesmo segmento industrial e, através de análise estatística, financeira e de engenharia, fazer agrupamentos e comparações que permitam as empresas clientes conhecerem seu posicionamento relativo e identificarem oportunidades para melhoria de seus resultados.

Um exemplo, com dados fictícios, pode ser encontrado na figura abaixo:

A empresa também agrega valor através da padronização dos indicadores - de modo a permitir sua comparação - e da preservação do sigilo no que se refere à origem dos dados, viabilizando o processo de benchmarking entre concorrentes.

Benefícios

O uso da Análise Comparativa de Desempenho traz vantagens como:

Acesso a informações que, de outro modo, não seriam acessíveis.

Permite descobrir a verdadeira posição em relação à concorrência nos diversos aspectos de desempenho.

Otimiza a priorização de recursos, na medida em que são identificados os pontos com maior potencial de ganho e nos quais vale mais a pena investir.

Legitima as metas de melhoria estabelecidas, pois como são baseadas em referenciais de excelência (benchmarks) efetivamente alcançados em outras organizações, acabam impondo um clima de desafio e motivação às equipes.

Reduz a resistência às mudanças e coloca o foco no ambiente externo e na busca de soluções, criando oportunidades para aprender com a experiência dos outros, identificando as melhores práticas.

O próprio trabalho de levantamento de dados e preenchimento do questionário da pesquisa traz conhecimento sobre o processo interno, ao mesmo tempo em que amplia a cultura de medição do desempenho e da análise crítica dos processos.

Apresentamos como vantagem, em relação a outras consultorias, o fato de não prestar outros serviços às empresas dos segmentos aos quais oferecemos este serviço, o que evita conflitos de interesse e, ao mesmo tempo, dá maior credibilidade ao sigilo essencial para a execução deste tipo de trabalho.

Metodologia

O trabalho de consultoria para gerar o relatório de Análise Comparativa de Desempenho obedece a seguinte sistemática:

1. Análise do processo de produção do cliente

Consiste em conhecer o processo de produção do cliente, de modo a poder determinar quais são os parâmetros que justificam atenção e que devem ser considerados no trabalho de análise comparativa de desempenho. Esta tarefa, realizada por meio de visitas, estágios e discussão técnica com especialistas, pode levar de um a dois meses.

2. Escolha dos indicadores

Seleção dos indicadores, de uso comum na indústria, que podem apontar os maiores potenciais de ganho em uma análise comparativa.

3. Padronização dos indicadores

Consiste na publicação de um documento denominado "Identidade do Indicador" que descreve as características, critérios de coleta, unidade de medida e outros pontos importantes do parâmetro que será usado no processo de comparação.

4. Recebimento dos dados

A alternativa mais estruturada para o recebimento dos dados é através de um questionário em papel ou meio eletrônico, mas poderá ocorrer em reuniões, por telefone, por fax, etc.

5. Análise da consistência

Os dados recebidos, antes de uma utilização mais extensiva, são submetidos a testes de consistência em 3 níveis:

Com outros dados da mesma empresa
O objetivo é verificar se os valores fornecidos são compatíveis com o histórico e com os demais dados fornecidos.

Com o processo usado
Nesta etapa da análise são verificados se os dados apresentam comportamento lógico quando aos aspectos relacionados às características de engenharia do processo de produção utilizado pelo cliente.

Com todo o grupo de dados semelhantes
Consiste na verificação, através de ferramentas estatísticas, de desvios anormais em relação ao grupo de dados disponíveis.

Caso algum valor apresente comportamento anormal em qualquer dos testes descritos, é prevista a confirmação do dado junto ao cliente de modo a reduzir o risco de incluir erros de coleta ou transcrição de dados nos trabalhos posteriores.

6. Análise e consolidação dos dados

Na seqüência os dados consolidados são agrupados e codificados para o trabalho estatístico final, que compreende as seguintes etapas:

Análise estatística (dispersão, tendências)
Através de cálculos são levantadas as principais características estatísticas da amostra.

Análise comparativa
Neste momento os dados de cada cliente voltam a ser tratados individualmente e são comparados com a amostra de modo a permitir seu enquadramento no 1º, 2º ou 3º tercil.

Também é feita a determinação das diferenças ou gaps em relação à média e aos melhores resultados disponíveis. Quando pertinente, os ganhos potenciais são traduzidos em unidades monetárias ou de energia para dar maior incentivo na busca das melhorias apontadas.

A codificação visa garantir o sigilo quanto à origem das informações; cada empresa, unidade fabril ou máquina de produção ganha um código. Também são tomadas diversas outras ações no sentido de proteger as informações dos clientes que estão sob nossos cuidados; entre elas a manutenção do banco de dados em um computador stand-alone e a adoção de uma rigorosa política de back-up.

7. Formatação

Consiste no preparo das informações para a entrega aos clientes e inclui a publicação de um Relatório Técnico personalizado.
Inclui, também, em determinados casos, preparo de slides (Power Point) com os resultados e oportunidades de melhoria (gaps) para apresentação em seminários com o pessoal do cliente.

Tanto o relatório técnico quanto a apresentação podem ser fornecidos em papel, transmitidos eletronicamente ou entregues em CD-ROM.

8. Suporte técnico

Eventuais dificuldades de interpretação dos resultados, ou dúvidas sobre a metodologia usada, serão atendidas por e-mail ou telefone; em casos excepcionais serão feitas reuniões para este propósito.

Este trabalho será feito em ciclos periódicos, a cada seis ou doze meses, em face da evolução e das mudanças que ocorrem nos processos de produção e gestão, e do próprio processo de aprendizado que irá ocorrer, levando a novos indicadores e a inclusão de outras áreas das empresas.

"Ser simples é complicado".

                                    Amália Rodrigues

Fundamentos

Uma das formas de se ganhar competitividade (Porter, 1991) é a sinergia entre unidades empresariais ou concorrentes.

Dentre as diversas maneiras de se obter sinergia destaca-se a troca de informações visando à melhoria das diversas atividades que compõe a cadeia de valor da indústria.

O processo de benchmarking comparativo, ou análise comparativa de desempenho, é apresentado de forma bastante detalhada por Balm (Balm, 1995).

Embora, na teoria, considere-se que empresas em diversos mercados operem eficientemente, numerosos estudos empíricos mostram o oposto. Geralmente tais estudos de eficiência revelam um grande potencial para melhora no desempenho. Por exemplo, Berger e Humphrey (Berger, A., Humphrey, D., 1997. The efficiency of financial institutions: International survey and directions for future research. European Journal of Operational Research 98, 175-212), descobriram que a eficiência técnica média para bancos é inferior a 0,8, sugerindo um potencial médio de melhoria de 20%, baseados em um levantamento de 122 estudos de eficiência.

Outras informações

Maiores detalhes sobre os benefícios da Análise Comparativa de Desempenho podem ser encontrados no trabalho Análise Comparativa de Desempenho - uma nova ferramenta de gestão operacional para a indústria de celulose e papel.

  Copyright © Bachmann & Associados 2004 - Website desenvolvido por Midia Arte